domingo, 14 de outubro de 2007

Dom


Use minha vontade.

Nada de amor mimético, estético.

Me dê a rebarba, o defeito, o teu jeito.

Da tua pose covarde,

Faça um samba patético.

Da tua falsa coragem,

Faça um paço sintético.

Tropece, disfarce, invente, seja meu,

Minha nota de bamba,

Meu malandro de rua,

Tudo que a vida roeu,

Todo meu dom de ser tua.

[Aline Sampin


- Ilustração: Aline Sampin

5 comentários:

Péricles disse...

Palavras pansadas... boa garota! Como Rancière, Olavo Bilac, cada palavra está ali pois é a melhor representante daquela idéia q vc queria exprimir. Elas são densas, carregadas de sentido. Show! Me amarrei! (e ainda rima).

PS: de novo vale fazer uma ressalva ao desenho: lindo (ou melhor, LINDA!)

bjs mts

VinA SchneiDer disse...

E ai Line , passei pra comentar essa poesia quente ,funda e gostosa de se ler q vc traz de novo pra rua.
Sempre um prazer e uma surpresa nova ver voce se expressar.
Alias Parabens p Pericles que tb pensou bem nas palavras dele .eheheheh
Vai fundo garoto!
;-p

pedro disse...

adoro-te, magoas-me, vou para longe e logo corro para ti... devagar percebo que os teus olhos sao a minha luz... corro para fugir do amor...e desse sabor.

ass. good selection.

p.s adoro o teu trabalho.

pedro disse...

adoro-te, magoas-me, vou para longe e logo corro para ti... devagar percebo que os teus olhos sao a minha luz... corro para fugir do amor...e desse sabor.

ass. good selection.

p.s adoro o teu trabalho.

Pamela disse...
Este comentário foi removido pelo autor.