segunda-feira, 16 de abril de 2007

Prazer


Um acaso de bocas que se encontram.
Principio de um desentendimento.
Um particular a dois
Afastamento do resto do mundo Sensorial,
Sem sentido de ser.

Dentes se esbarram num sorriso
Duradouro por crescer.
Motivo sincero para um abraço
E mãos que começam a descer
Por um caminho desconhecido,
Ou ao menos por esse ponto de vista.
De dois corpos que já não vestem mais nada.
De dois copos, de dois sopros de vida.
De berros uníssonos, suspiros, ar.

Contrações simétricas do par,
Que contam o que a boca não pode falar.
Não pode gemer e já não pode gritar.
Já não se permitem amar longe.

[Aline Sampin

6 comentários:

thiago disse...

lindo !! você realmente tem o dom da escrita , dom este do qual normalmente são dotadas pessoas de uma beleza interior, sensibilidade e uma vivacidade enormes . e isso tudo você tem de sobra .

sou teu fã

bjs


thiago

muca disse...

ta td mto bonito mto lindo palavras maduras de uma alma q refletiu td antes de por no "papel"

VinA SchneiDer disse...

Me deixou excitado ate... pena q a sala tah chei aqui.
volto mais trde
;-p

Giselle disse...

Poxa,é lindo!

Amanda disse...

nem seu blog tah lindo!!!
as poesias são maravilhosas
bjks

Amanda disse...
Este comentário foi removido pelo autor.